sábado, 24 de julho de 2010

A arrogância perdeu: Teixeira, em seu mundo, está por baixo

Reprodução: Coluna do Juca Kfouri, da Folha de São Paulo

Muricy Ramalho fez o que sempre disse que faria, isto é: cumpriria seu contrato e manteria sua palavra até o fim. Ao ouvir do Fluminense que não o liberaria, ficou.

E deixou o Imperador Ricardo I, o Único, com cara de bobo da corte, depois de desfilar sua arrogância na TV.

A vingança contra o Fluminense que não votou em quem ele mandou no Clube dos 13 saiu-lhe pela culatra e ele perdeu de novo, pela terceira vez em poucos dias: no Clube dos 13, na África e diante deste não, que o força a procurar alguém que certamente será um profissional fraco a ponto de aceitar ser o terceiro, pois o primeiro sempre foi Luiz Felipe Scolari.

Tirante os arrivistas emergentes de sempre, que signi ficam mais problemas do que solução, quem, no Brasil, aceitaria o convite?

Mano Menezes, de postura tão correta neste episódio quase desumano em relação a ele, tamanha a exposição a que foi submetido, aceitará? E as bombachas?

Talvez seja mesmo a hora de procurar alguém fora do Brasil, se não Johan Cruyff ou José Mourinho, ao menos Abel Braga ou Paulo Autuori.

Anunciar que paga a multa ao Fluminense é tentar desmoralizar Muricy, resumindo tudo a dinheiro.

Nem todos são iguais.

O importante, no entanto, é registrar o fato: este homem que atemoriza governadores e que consegue o beneplácito do presidente da República, em seu mundo, o do futebol, está outra vez por baixo.

Não tanto como na época das CPIs que o desmoralizaram perante o país, mas por baixo. Porque até o apoio que supunha ter na Fifa para suceder Joseph Blatter ele perdeu, como soube nesta Copa.

Fábio Koff, Juvenal Juvêncio (terá falado com Muricy Ramalho?), Luiz Gonzaga Belluzzo, Patrícia Amorim, para citar alguns poucos, mas importantes neste cenário, estão rindo, às gargalhadas, do vexame que Rico Terra, aquele dos tempos de plebeu, acaba de viver.

Quem sabe sejam os primeiros sinais de que seu reinado está começando a ruir.

Tomara.

O futebol brasileiro passará a dever muito ao Fluminense e a Muricy Ramalho.

3 comentários:

Ricardo Tricolor disse...

A caso do RT já começou a cair, é questão de tempo. Não tenho certeza se ele se sustenta até 2014 não!

Carlos Balaró disse...

Tem muita gente com o rabo preso ao de Ricardo Texeira, o que significa perpetuação no poder. Quanto à escolha do Mano, após perder um técnico de primeira acabou ficando com um de segunda...

fora teixeira disse...

O movimento tira teixeira no twitter é uma boa

Postar um comentário