quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Pai de Kaká e filho de Milton Cruz agenciam atletas juntos

Reprodução: Blog do Perrone

O sobrenome de um abre portas em clubes brasileiros. O outro tem um filho que é um dos jogadores mais famosos do mundo. Então, eles resolveram trabalhar juntos. Tadeu Cruz, filho de Milton Cruz, auxiliar técnico do São Paulo, e Bosco Izecson Pereira Leite, pai de Kaká, montaram um escritório para intermediar negociações de jogadores e agenciar carreiras de atletas.
A dupla atua desde janeiro e conta hoje com cerca de 12 clientes. A maioria acaba de sair das categorias de base. Mas os dois negociam também jogadores de outros empresários. Nesta quinta, Tadeu vai para a Europa levando material de vários atletas, inclusive de outros agentes que autorizaram a intermediação.
Por enquanto, não apresentam ninguém famoso na carteira de clientes. Algumas de suas apostas estarão na próxima Copa São Paulo, fazendo parte do time do Nacional. O goleiro André Dias, campeão desse torneio pelo Corinthians e que não está sendo aproveitado pelo clube, é um dos jogadores que Tadeu tentará encaixar na Europa.
Em alguns clubes brasileiros, chegou a notícia de que Kaká é sócio de Tadeu. “O Kaká e meu pai não participam de nada. Só ajudam com o nome que construíram. Quem sabe que somos parentes deles sabe que não vamos fazer sacanagem com ninguém”, explicou Tadeu ao blog.
Quando se tornou agente Fifa, no ano passado, Tadeu ouviu uma recomendação do presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio: não negociar com atletas das categorias de base do clube.
“Nossa empresa não vai procurar jogadores do São Paulo. Mas o clube pode acabar nos procurando, se a gente tiver alguém que interessa à diretoria. Meu pai nunca ajudou na minha carreira de agente. Nunca indicou jogadores e nem vai indicar”, afirmou Tadeu. Bosco, por sua vez, tem a experiência de cuidar das carreiras dos filhos Kaká e Digão.

Comentário do blog
Acho essa relação um tanto quanto perigosa.
Já imaginaram o que estaria se falando agora se as recentes promoções feitas por Baresi tivessem sido efetuadas por um pedido de Milton Cruz? Geraria um tremendo ruído no clube. Ou me faz pensar, se Milton não evitou indicar jogadores da base justamente para que seu nome não fosse envolvido em fofocas.
Ou seja, quando ocorre esse tipo de situação, abre-se uma brecha enorme para uma série de especulações maldosas, veja por exemplo o aconteceu recentemente com Zico, no Flamengo, quando conselheiros acusaram seus filhos de estarem envolvidos na contratação de alguns jogadores.
Acredito na lisura de Zico, assim como na de Milton Cruz, mas é aquilo que disse acima: faz um ruído danado... e desnecessário.
Mas, não há nada que se possa fazer.

Um comentário:

Carlos Balaró disse...

Definitivamente não dá para acreditar que se o Milton Cruz, "olheiro" oficial do SPFC há anos, descobrir um novo talento, vai recomendar sua contratação direita ao clube ou vai indicar o próprio filho para agenciar o atleta?!?!?! Fim de linha, Milton Cruz; aliás, faz tempo que o SPFC não contrata bem...

Postar um comentário