terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Sócios derrubam lucro de clubes em bilheterias

Reprodução: Máquina do Esporte

A apenas alguns dias de finalizar 2010, diante da necessidade de traçar o planejamento estratégico para a próxima temporada, determinados dilemas ocupam clubes brasileiros. O sócio-torcedor, em particular, tende a dividir opiniões, ao contrapor antecipação de receitas e virtual prejuízo ao desempenho nas bilheterias.
O Internacional de Porto Alegre surge como primeira referência no assunto, ao reunir cerca de 106 mil sócios, dos quais 35 mil têm direito a entrada gratuita e 71 mil, desconto de 50% no valor do ingresso. Esse modelo gera aproximadamente R$ 3,8 milhões por mês, segundo números fornecidos pelo clube.
A estratégia de distribuir descontos nos tíquetes para atrair associados, entretanto, leva como efeito colateral virtual diminuição no lucro com bilheterias. Durante o Campeonato Brasileiro, o clube gaúcho embolsou R$ 3,3 milhões, abaixo, por exemplo, do rival Grêmio, que não oferece esse benefício e lucrou R$ 4,3 milhões.
O modelo desenvolvido pelo Internacional para lidar com sócios-torcedores foi adaptado em outras agremiações, como Atlético Paranaense e Avaí, mas os resultados não são tão animadores. A distribuição de ingressos gratuito para filiados gera, em ambos os casos, receita mensal, mas derruba números com bilheterias.
O Atlético-PR, atualmente com cerca de 19,6 mil sócios, recebe mensalmente aproximadamente R$ 1,3 milhão, de acordo com estimativa baseada no preço da mensalidade, de R$ 70. Em ingressos, porém, os paranaenses lucraram apenas R$ 411 mil no torneio nacional, o pior desempenho do país.
O Avaí, por sua vez, reuniu 12 mil associados com entrada gratuita e arrecada em torno de R$ 900 mil por mês com o quadro social. O lucro com tíquetes, novamente, foi de R$ 586 mil, acima apenas do próprio Atlético-PR e do Grêmio Prudente, dono da pior média de público e rebaixado à Série B.
Em público, contudo, nenhum dos dois repete o mau desempenho notado nas finanças. O Atlético-PR atingiu média de 16,3 mil torcedores por jogo no Brasileirão, enquanto o Avaí, 9,4 mil, sinal de que os descontos a sócios, apesar de gerarem recursos, impedem melhores resultados em outra fonte de receita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário