terça-feira, 1 de março de 2011

Morumbi: entenda a melhor drenagem do Brasil

Reprodução: Site Oficial do SPFC

Projeto original de escoamento de água que garantiu o clássico de domingo é um dos melhores do mundo
Ana Luiza Rosa

O sistema de drenagem do Morumbi foi elogiadíssimo após o clássico entre São Paulo e Palmeiras, no último domingo, já que conseguiu em poucos minutos escoar a água que caiu no gramado em uma das maiores tempestades do ano. Mas você sabe como ele funciona? Conheça um pouco mais sobre a estrutura da casa do Tricolor.
O sistema começou a ser planejado em 1954. No dia 23 de junho daquele ano foi assinado o contrato de construção do sistema junto a Civilsan – Engenharia Civil e Sanitária S/A ao valor de Cr$ 4.382.437,00. As obras se iniciaram em 29 de outubro e demoraram cerca de seis meses.
Em 20 de abril de 1955 foram entregues 24 mil metros quadrados de cobertura (campo + pista) com drenos em formato de espinha de peixe e recobertos por uma configuração de camadas de solo estudadas e desenvolvidas pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas).
Abaixo do gramado vêm diversas camadas que são responsáveis pelo escoamento de água, que é direcionada para uma galeria pluvial construída pelo São Paulo também em 1954. São elas:
  • Grama
  • Terra: aproximadamente 60cm
  • Areia grossa: aproximadamente 30cm
  • Pedras: a camada pode variar entre 0,5m e 1m40
  • Tubulação: de seis a oito polegadas de espessura
  • Pedras
  • Terreno original
  • Galeria pluvial: diâmetro de 1m80
Da galeria pluvial, a água é direcionada para o córrego Antonico, que se encontra com o córrego Pirajussara e então desemboca no Rio Pinheiros.
“A gente tem usado terra com teor de areia muito grande, ou só areia, para aumentar a capacidade de absorção da água”, explica o engenheiro responsável pelo Morumbi, Walter Follador Junior, que conta como é a rotina de cuidados com o campo. 
“Furamos o campo com uma máquina que acabamos de comprar. Essa máquina faz buracos no campo, tirando cilindros de terra que preenchemos com areia. Isso é feito toda vez que percebemos que a superfície do campo está compactada e que pode comprometer a drenagem”, completa.
Roberto Barros Lima, engenheiro-fiscal da construção do Morumbi, diz que o bom funcionamento do sistema de drenagem não é à toa, já que foi cuidadosamente estudado. “Todos os engenheiros envolvidos na obra foram muito cuidadosos com o projeto da galeria e também da drenagem. Imaginamos muito bem a coisa e com certeza é por isso que funciona tão bem”, lembrou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário