segunda-feira, 14 de março de 2011

O pé que balança a rede

Reprodução: Coluna do Paulo Vinicius Coelho, Folha.com

Eram  6min do segundo tempo, quando Dagoberto apareceu na cara do goleiro Neneca. Levantou a cabeça, olhou para o gol e... chutou para fora! Por mais que o Barcelona mostre todos os dias que é possível jogar bem sem centroavante, nem todo atacante é Messi e nem todo time é o Barça.
O São Paulo pensou que podia jogar sem centroavante no início do Paulistão. Teve uma dupla de ataque com Marlos e Dagoberto. Tocava a bola lindamente, atacava em alta velocidade, mas, quando chegava à área, faltava o artilheiro.
No Brasileirão, não faltará. A contratação de Luis Fabiano dificulta a vida da revelação Willian José, bom centroavante de poucos gols. Desde 2004, quando Luis Fabiano se foi, o São Paulo viveu bons e maus momentos, nunca com um goleador como ele.
Em 2005, campeão mundial, seu artilheiro foi Rogério. Em 2007, o repórter André Plihal, da ESPN, fez uma observação a Aloísio sobre um jogo em que o centroavante tinha arrebentado e feito gols. Ele falou: "Prefiro quando não faço gols".
O São Paulo ganhou dois Brasileiros com Aloísio como titular, mas faltava o pé que balança a rede. Com Luis Fabiano, não vai faltar.
A questão é que ele só entra em maio, quando o time se concentrará em seu maior objetivo no ano, o Brasileiro. Até lá, Carpegiani continuará mexendo mais que precisa. Ora com três zagueiros, ora no 4-2-3- -1, ora com Willian José na frente, ora com o trio Lucas, Dagoberto e Fernandinho, melhor opção enquanto o Luis Fabiano não vem.
Na infância, as palavras centroavante e artilheiro me pareciam sinônimos. Não são. Em sete anos, o São Paulo teve artilheiros que não eram centroavantes e centroavantes que não são artilheiros. No Brasileirão, terá Luis Fabiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário