sexta-feira, 15 de abril de 2011

O sonhado relatório para a Fifa

Reprodução: Blog do Juca Kfouri
Rafa Klein*

Tive um sonho esquisito.
Sonhei que o Joseph Blatter me ligava para falar da Copa de 2014 (eu preferia que fosse a Gisele Büdchen, mas fazer o quê, não dá para manda nos sonhos da gente).
Ele me cobrava uma resposta final sobre estádios e projetos de melhorias das cidades-sede.
Sem saber o que falar, argumentei que faltavam ainda três anos para 2014, que temos muito tempo, e todas essas coisas que diz quem está atrasado nas suas obrigações.
Ele respondeu aos berros: “2014 é amanhã. E vocês, brasileiros, deixam tudo para depois de amanhã.”
Diante da bronca, fiz um relatório tentando mostrar ao Zé Blatter que está tudo bem e que a Copa aqui vai ser um sucesso:
Expliquei que o Rio está bem avançado, com 3 estádios prontos: o Engenhão, o de Volta Redonda e o de Macaé.
Como o Engenhão não caiu nas graças do torcedor, eu sugeri fazer a abertura em Macaé, evitando a Linha Vermelha, que é tranquila, mas sofre eventualmente de congestionamento de arrastões.
O problema da mobilidade urbana de São Paulo já estaria resolvido, porque em 2014 todos andarão a pé, queiram ou não.
Estádio também não é problema.
O Fielzão já está pronto no computador e, ainda assim, argumentei que se os jogos forem realizados no terreno como está, vai caber muito mais gente do que em no estádio depois de construído.
Uma inovação que só uma Copa no Brasil poderia trazer.
No Rio Grande do Sul, tem o estádio do Inter em fase avançada de reformas, mas como não gostamos de nada fácil, devemos realizar os jogos no ainda não existente estádio do Grêmio.
O Rio Grande do Norte tem problemas, é verdade, mas temos um plano B que é usar o estádio do Inter como base.
A distância não será problema, é tudo Rio Grande mesmo.
Em Salvador tem o maior metrô do mundo, tanto que levou mais de 20 anos para ficar pronto desde que começou a ser construído.
E, convenhamos, o que é que tem funcionar apenas 4 km durante a Copa se ele é o maior do mundo?
E disse mais.
Que o estádio de Recife não vai ter dono, mas vai ser absolutamente viável.
Que em Brasília o estádio é adequado, sim, aos tamanhos dos times locais que são Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo.
E que 30% dos aeroportos utilizados na Copa estarão operando dentro da capacidade, o que é um crescimento de 30% em relação ao que a gente tem hoje.
Enfim, não temos com o que nos preocupar.
Depois da explicação ele desligou o telefone berrando de felicidade.
Acordei e agradeci por não ter que falar com o Blatter novamente ao telefone.
Ele grita muito. Horas depois, li nos jornais que ele andou a elogiar a preparação do Brasil para a Copa de 2014.
De duas, uma: ou tudo era verdade e eu mandei muito bem nas minhas explicações, ou ainda estou sonhando.

*Rafael Klein Pedroso é publicitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário