sábado, 21 de maio de 2011

Criado por Lula e Andrés, Itaquerão fugiu do controle

Reprodução: Blog do Perrone

Tudo começou quando Andrés Sanchez pediu ao então presidente da República que ajudasse o time de ambos a ter um estádio. Lula não viu mal nenhum. Convenceu até Juvenal Juvêncio de que meteria a colher só para  que o Corinthians tivesse sua casa própria. Nada a ver com Copa.
A sugestão do presidente comoveu a Odebrecht. No Conselho Deliberativo corintiano, o projeto foi vendido como uma casa humilde.
Com Andrés e Ricardo Teixeira desfilando de novos melhores amigos de infância, ficou fácil prever que o Morumbi teria problemas para ser o palco da abertura do Mundial. A brincadeira de casinha virou coisa de gente grande quando finalmente o estádio do São Paulo saiu do mapa da Copa.
A arena basiquinha virou um projeto suntuoso para abrigar a abertura. Empresários amigos de Ricardo Teixeira e cartolas corintianos antes afirmavam ser fácil arrumar investidores e patrocinadores. Mas não apareceram com uma proposta concreta.
Odebrecht e Corinthians passaram a se estapear por causa do tamanho da conta. Lula, um dos pais da criança, foi chamado para tentar forçar o início das obras. Outra interferência que exige antiácido para ser digerida. Ao menos para quem examina o caso sem paixão clubística.
Depois do novo empurrão do ex-presidente, a largada foi marcada para a próxima terça, mas deve ser a adiada para o final do mês ou para o início de junho.
Claro. Apesar da intervenção de Lula ninguém quer pagar a conta. Enquanto isso, o jogo fica cada vez mais pesado. O ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, pressiona o Governo do Estado a ajudar financeiramente.
Curiosamente, uma ala da diretoria corintiana acusa o ministro de querer ver o governo do PSDB perder a abertura da Copa. Estranho. Poucas horas depois de pressionar numa reunião o governador Geraldo Alckmin para botar a mão no bolso, Orlando e Andrés participaram juntos de uma roda de samba. Prova de sintonia.
Nesse cenário, o monstro criado pelo presidente corintiano e por Lula segue descontrolado. Enquanto isso, gente graúda esfrega as mãos esperando a partida inaugural do Mundial acontecer em seu quintal.
 Brasília foi pintada pelo Comitê Organizador como favorita. Mas Aécio Neves, futuro candidato a presidência e amigo do peito de Teixeira, quer o jogo em Belo Horizonte. Talvez, a pane paulistana e a briga entre BH e Brasília façam com que a fita da Copa seja cortada no Rio.
Não seria desagradável para o presidente da CBF e do comitê. Ele já defendeu publicamente que a cidade concentre eventos importantes do Mundial. Sem falar que o Maracanã, público e aparentemente sem um teto para gastos, já estará adequado para abertura. Ela será  feita nos mesmos moldes da final, que é do Rio e ninguém tasca.

3 comentários:

Rogério ::: ... ... disse...

O devaneio chamado "novo Carandirú", o 'istádio' que o governo federal fará para o CÚrintchas, custará R$ 1,1 bilhões. Deste R$ 400 milhões vem do BNDES, que espera recebê-los de volta. Se o pagamento micar, o governo federal assume o 'istádio'. Outros R$ 300 milhões virão de CID's da PMSP. Para gerar tais incentivos precisa de R$ 7,5 bilhões de investimentos na região do 'istádio' em Itaquera. R$ 1,1 bilhão virão do próprio 'istádio', e os outros R$ 6,4 bilhões? E se não forem investidos todo o montante de R$ 6,4 bilhões? Quem bancará pelo incentivo que deixará de ser concedido, porque não houve investimentos? Meu palpite? O governo federal. Esperem, ainda não acabou. Outros R$ 370 milhões ninguém faz a menor idéia de onde virão. Após horas queimando neurônios cheguei a conclusão que virão do governo federal. Agora o café pequeno de R$ 30 milhões, para a remoçao da tubulação da Petrobrás, este eu tenho certeza, virão do governo federal! Minha bola de cristal, ensolarada, vislumbra o seguinte: o CÚrintchas quer construir um 'istádio' mas não tem dinheiro para tanto ENEM se contenta com um 'istádio' dentro da sua realidade. Construirá, com a ajuda da Presidência da Replública, mas não vai pagá-lo. O governo federal retomará o 'istádio' por falta de pagamento. O Cúrintchas ameaçará ir jogar, novamente, no Pacaembú. E, para este não transformar o 'istádio' num elefante branco em Itaquera, o governo federal fará um acordo com o CÚrintchas, cedendo o uso e bancando a manutenção. Tudo isso acontece no Brasil, a casa da mãe Dilma. (Nota do Tradutor: Dilma em búlgaro significa Joana em português).

Luis Claudio disse...

retirado do link:
http://www.copa2014transparente.com.br/index.php/2010/08/30/cbf-indicou-fielzao-para-sediar-a-copa-sem-ver-o-projeto-diz-sanches.htm

"- Nem Ricardo Teixeira, nem ninguém dos governos federal, estadual e municipal, viu o projeto. Só o Corinthians, a Odebrecht (construtora responsável pelo estádio) e os arquitetos. Nós temos credibilidade. Vocês podem não acreditar, mas nós temos. E eu não vou fazer como algumas pessoas fizeram e brincar com coisa muito séria. A partir do momento que eu falei, internamente, que o Corinthians tinha um projeto muito bom, todo mundo acreditou. Eu não vou ficar jogando pra lá e pra cá e daqui a seis meses falar que infelizmente não era como foi dito. Não sou irresponsável – disse Sanches ao jornal, acrescentando que o presidente do Brasil, Lula, não teve papel “decisivo” na operação."

Cadê a credibilidade..!?!?

Quem tá brincando com a nossa cara agora..!?!? Seu Palhaço..!!!

Gerson Silva disse...

Sem São Paulo e sem o Morumbi essa copa estará fadada ao fracasso! Esse pessoal está fazendo um governo paralelo e quem paga a conta somos nós (otários do maior e melhor estado da nação). Espero que quem se diz Sãopaulino de verdade perceba quem está por trás desta comédia perdulária e nunca mais deêm seu voto para esses cretinos!

Postar um comentário