sábado, 14 de maio de 2011

No bolso

Reprodução: Painel FC

A Comissão de Valores Mobiliários, que regula a bolsa, abriu processo para apurar a questão dos dutos da Petrobras que ficam sob o local onde será erguido o estádio corintiano. A ação da CVM foi motivada por ofício enviado por um acionista da estatal que mora no Rio e diz que o desvio dos canais não é do interesse dos acionistas ou do governo federal. Acrescenta ainda que a obra é benéfica para um ente privado.

Tô fora
A Transpetro, empresa de logística e transporte de combustíveis da Petrobras, informa, sobre a questão dos dutos, que os gastos para a retirada dos canais do terreno competem aos empreendedores da arena, no caso, a Odebrecht.

Comentário do blog
Até que enfim um acionista se tocou.

Um comentário:

Rogério ::: ... ... disse...

Isto será facilmente resolvido. A Odebrecht assume a esta obra e depois superfatura outa e tira a diferença. De qualquer forma será a Petrobrás quem irá pagar. A SEP (Seis é Pouco) está fechando um naming rights com a Unimed por 10 anos pelo valor de R$ 80 milhões, segundo o porco-presidente. Valor semelhante ao do próprio São Paulo, "por um contrato entre 10 e 20 anos" como foi anunciado (R$ 120 milhões como especulado agora por 15 anos). A galinhada fala em R$ 200 milhões pelo novo Carandirú, por 10 anos. Talvéz somente a própria Petrobrás e quem sabe a CEF para pagar por mais um superfaturamento.

Postar um comentário