segunda-feira, 13 de junho de 2011

Fifa impõe parceiros às sedes do Mundial

Reprodução: Folha.com
Filipe Coutinho
Fernanda Odilla

Entidade pressiona cidades a "cooperar" em suas licitações e faz lobby por seus próprios patrocinadores

A Fifa pressiona as 12 cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014 a "cooperar" nas licitações dos estádios e a contratar empresas patrocinadoras da entidade.
A Folha ouviu reclamações dos representantes dos governos estaduais, sob condição de anonimato, e conseguiu cópia de documentos que confirmam o lobby.
Os papéis mostram que o departamento de marketing da Fifa e o Comitê Organizador Local (representante da entidade no país-sede do Mundial) atuaram em favor de uma fabricante de brindes, uma empresa de energia solar e uma seguradora.
As três empresas são apresentadas como líderes de mercado e parceiras oficiais da Fifa, o órgão máximo de futebol, cujos dirigentes foram recentemente alvo de denúncias de corrupção, entre elas o pagamento de propina na eleição das sedes das Copas de 2018 e 2022.
Entre os documentos obtidos pela Folha, estão um e- -mail e uma apresentação de PowerPoint em que a Fifa manifesta interesse na contratação da parceira ADM para a confecção de brindes, como bonés e chaveiros.
Os documentos são assinados pelo diretor de marketing da Fifa no Brasil, Jay Neuhaus. O recado: ou a sede contrata a ADM ou paga 17% de taxa de licenciamento caso opte por outra fabricante.
As sugestões de contratação colocam as cidades-sedes diante de um impasse.
Agradar à entidade, pedindo a consórcios e empreiteiras responsáveis pelas obras que contratem as empresas ligadas à Fifa, ou, no caso de contratos pagos apenas com dinheiro público, seguir a Lei de Licitações, arcando, assim, com custos extras para atender ao padrão Fifa.
Em e-mail de abril, enviado após alerta das cidades para as restrições da legislação, Neuhaus fez um pedido.
"Esperamos ter a cooperação de vocês em adotar a ADM. Nós entendemos que as sedes, por serem entidades públicas, estão atreladas aos processos de licitação, porém esperamos encontrar uma forma de garantir que a ADM sempre faça parte deste processo", dizia o texto.
No e-mail, o diretor da Fifa elogia a equipe da ADM como "a mágica do projeto".
A Folha também teve acesso a e-mail enviado em janeiro deste ano aos coordenadores das 12 cidades-sedes e assinado por Carlos de la Corte, consultor do COL.
De la Corte pede que a chinesa Yingli seja contatada por oferecer serviços de energia "alinhados" com a Fifa. E solicita às cidades que verifiquem "as possibilidades de parceria". De la Corte diz que a Yingli tem o selo de obra sustentável, exigência da Fifa para as arenas da Copa.
O consultor do COL encaminha carta assinada pelo diretor-geral de marketing da Fifa, Thierry Weil, que diz que a entidade "considera que os produtos da Yingli Solar podem ser a melhor solução para a eficiência energética dos estádios da Copa".
Weil e De la Corte pedem sigilo sobre o fato de a empresa ser patrocinadora da Copa -a parceria só foi anunciada oficialmente na última quarta, cinco meses após o e-mail.
O diretor-geral de marketing da Fifa também assinou outro ofício anunciando a Liberty Seguros como seguradora do próximo Mundial.
O documento foi encaminhado por e-mail, por meio do COL, para 37 representantes das cidades-sedes.
Weil pede aos coordenadores que contatem o pa- trocinador e destaca as qua- lidades da Liberty Seguros.

2 comentários:

Anônimo disse...

Bando de bandidos! Quando é que vamos mandar esses caras passear??? Como pode uma nação se subjulgar desta forma por causa de um evento que dura 1 mês.... Deveriamos trocar o Ricardo Teixeira e nos desfiliarmos da FIFA, fundando com outras nações uma nova liga...

Ricardo Tricolor disse...

Cara, o tempo é senhor da razão mesmo, acho melhor termos ficado de fora desse problema chamado Copa 2014. Até a Copa, vai tudo continuar nessa zona, depois da Copa quero ver o monte de dor de cabeça que vai sobrar pra quem entrou nessa. Se algum dia o RT cair, seus "parceiros" que se preparem.

Postar um comentário