quinta-feira, 9 de junho de 2011

MP investiga risco de explosão em Itaquera e cobra responsabilidade de cartolas

Reprodução: Blog do Perrone

O Ministério Público Paulista investiga se o início das obras do Itaquerão antes da retirada dos dutos da Petrobras gera risco de acidentes, como uma explosão. O órgão também apura se a prefeitura acelerou o processo de liberação de alvarás para a construção do estádio corintiano.
No último dia 2, José Carlos de Freitas, da Promotoria de Justiça da Habitação e Urbanismo da capital, notificou o clube e a empresa. Ao Corinthians, o promotor perguntou se a diretoria obteve autorização da Petrobras antes de iniciar os trabalhos no terreno.
Ele também pediu para o presidente Andrés Sanchez explicar se, caso a obra tenha começado antes do sinal verde da Petrobras, o clube e os próprios dirigentes dividirão com a empresa a responsabilidade por eventuais acidentes. Cita como exemplo possível o rompimento dos dutos.
Para a Transpetro, divisão da Petrobras, o promotor pediu a comprovação de que foi dada a autorização para o Corinthians mexer no terreno antes da remoção dos dutos. Ele solicitou os documentos que teriam sido enviados ao clube com orientações sobre como evitar acidentes. Também perguntou quais providências a empresa tomará caso não tenha dado a autorização.
“Recebo muitos e-mails com denúncias sobre a possibilidade de explosões e outros acidentes com os dutos por causa do início das obras. Por isso, voltei a questionar a Petrobras”, disse o promotor.
Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa da Transpetro afirmou que as obras atuais não envolvem a área em que estão os dois dutos. Por isso, não há risco para a segurança dos trabalhadores. Declarou também que falta uma autorização da Agência Nacional de Petróleo para fazer a remoção. Já o Corinthians respondeu ao blog que todas as exigências legais serão cumpridas.
Além de relatos sobre riscos de acidentes, o promotor também recebe diariamente e-mails com queixas de que o futuro estádio corintiano estaria sendo favorecido pela prefeitura. Teria havido relaxamento nas exigências para que os alvarás fossem emitidos com mais rapidez.
Por isso, Freitas enviou uma notificação ao prefeito Gilberto Kassab. Pediu para que ele encaminhe ao MP cópia dos atos de aprovação das obras da arena com detalhes sobre as exigências. O promotor deverá fazer uma comparação com outras construções, como a do novo Palestra Itália.

Veja as notificações:

Comentário do blog
Finalmente parece que tem alguém preocupado um a “ilicitude” desta obra.
Parabéns ao promotor José Carlos de Freitas (uma@mp.sp.gov.br)

Um comentário:

Rafael disse...

Seria de uma felicidade imensa o MP/SP conseguir embargar essas obras claramente ilícitas...

Postar um comentário