terça-feira, 23 de agosto de 2011

Balanço Copa 2014: Brasília confia em bom andamento de estádio e mira a abertura da Copa

Reprodução: globoesporte.com
Marcelo Parreira e Marcelo Russio 

Com conclusão prevista para fim de 2012, Estádio Nacional é o carro-chefe das intenções brasilienses para conquistar a primeira partida do Mundial



O discurso de Brasília para a Copa do Mundo de 2014 é de otimismo. A capital federal confia no Estádio Nacional como carro-chefe para mostrar bons resultados na preparação para o Mundial e manter a esperança de sediar a abertura do evento, além de receber a Copa das Confederações. Segundo o secretário-executivo do Comitê Organizador Brasília 2014, Cláudio Monteiro, a ordem na preparação é de transparência total, principalmente após escândalos recentes sobre corrupção na política local.

- A questão de transparência pra nós é uma questão de honra. Brasília é uma cidade que teve um abalo. Não foi uma catástrofe natural, mas foi uma catástrofe e por isso transparência é a determinação do governador. Fazer com qualidade, cumprir o papel, não frustrar expectativas mas, acima de tudo, transparência total em todos os atos - diz Monteiro, que também é chefe de gabinete do governador Agnelo Queiroz.

Apesar da preocupação, apenas a obra de construção do Estádio Nacional está mantida conforme o que prevê a chamada Matriz de Responsabilidade, documento firmado entre o governo federal e o governo do Distrito Federal com os compromissos e responsabilidades das obras para os jogos. O documento está bastante defasado em relação a muitas das cidades-sede, e uma revisão está em estudo no Ministério do Esporte. As atualizações podem sair ainda este mês. O secretário do comitê do DF garante que tudo estará pronto antes de 2014.

- Estamos cumprindo o nosso cronograma à risca. Nós não temos nada que ultrapasse o limite de 31 de dezembro de 2013. Temos consciência da nossa responsabilidade perante a sociedade brasiliense, perante a sociedade brasileira.

O GLOBOESPORTE.COM mostra agora a situação de Brasília e o andamento das obras na capital federal para o Mundial de 2014.

ESTÁDIO
Vitrine de Brasília na intenção de sediar a abertura, o Estádio Nacional terá capacidade para 70.000 pessoas. Segundo o Comitê Organizador, a arena já está 35% concluída - os operários já trabalham concretando parte da arquibancada. Hoje, são 2.500 funcionários, que se revezam em dois turnos, trabalhando de 7h às 22h. Um terceiro turno, madrugada adentro, deve começar em setembro. Tudo para concluir a obra no prazo previsto: dezembro de 2012.

A obra, orçada em R$ 671 milhões, passou por contratempos. Primeiro, com a alteração do projeto, que originalmente previa o aproveitamento de parte da arquibancada do estádio Mané Garrincha. Segundo o comitê organizador, a alteração foi realizada devido à inclinação, que prejudicava a visibilidade, e ao estado deteriorado da estrutura original. A mudança permitiu uma economia de R$ 25 milhões ao projeto, cujo custo originalmente previsto era de R$ 696 milhões. O valor não inclui elementos como o gramado, a cobertura do estádio ou as cadeiras, cujos custos não foram divulgados para não atrapalhar a concorrência, segundo Monteiro. Em maio, no entanto, a derrubada da arquibancada antiga com o uso de explosivos fracassou, e foi necessária a demolição mecânica da estrutura.

De acordo com Monteiro, o projeto do estádio prevê que ele sirva como uma arena multiuso. Para isso, ele passará por uma licitação internacional, de modo que possa servir de palco para grandes eventos após o Mundial. A ideia já teria atraído a atenção de empresas nacionais e de grupos de países como Inglaterra, Estados Unidos e França.

- Brasília tem uma renda per capita altíssima, você tem aqui semanalmente uma agenda de shows... no estacionamento do estádio. Isso é constrangedor para o brasiliense. Nós queremos incluir o estádio em um circuito internacional de grandes eventos.

Segundo Jair de Farias, coordenador de comunicação e marketing do comitê organizador, a meta é que o estádio tenha um grande shopping center, além de outros atrativos:

- A ideia é que tenhamos, além de um grande shopping center no estádio, um estacionamento com capacidade para 30 mil veículos, um centro empresarial funcionando em um dos aneis da arena e três restaurantes de categoria internacional. Com toda essa estrutura, e os eventos que pretendemos atrair a cada semana, a previsão é que o estádio se pague em 15 anos.

LEGADO PARA A CIDADE
Duas grandes obras de mobilidade urbana estão previstas para Brasília, que serviriam aos turistas durante o Mundial e ficariam disponíveis ao uso da população após o evento. O primeiro é o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), cuja primeira parte ligaria o aeroporto Juscelino Kubitschek a uma das primeiras estações de metrô do Plano Piloto, área central de Brasília. Previsto originalmente para estar pronto em março do ano que vem, o VLT foi suspenso pela Justiça por irregularidades na licitação. Agora passará por nova concorrência, prevista para setembro, e espera-se que as obras sejam retomadas até o fim deste ano. Com custo estimado de R$ 364 milhões, o trecho tem conclusão estimada para junho de 2013.

Já as obras para o Veículo Leve sobre Pneus (VLP) ainda não começaram. O comitê organizador estima o início para o mês que vem, mas o contrato só foi liberado pelo Tribunal de Contas do DF no começo do mês. A companhia de Metrô do DF, responsável pelo sistema, acredita que elas possam começar em 2012, e serem concluídas apenas no final de 2013 - após, portanto, a Copa das Confederações. Os ônibus terão capacidade para até 160 passageiros e um percurso de 42 quilômetros de corredores exclusivos para ligarem as cidades de Gama e Santa Maria ao Plano Piloto. A obra deve custar R$ 587 milhões e tem expectativa de atender a 600 mil pessoas diariamente.

Além destes investimentos, está sendo feita a compra de 12 ônibus de dois andares, similares aos "double decks" de Londres, para que os turistas possam fazer visitas guiadas por toda a cidade.

OBJETIVOS
O secretário do comitê organizador não esconde a expectativa da escolha da cidade para abertura da Copa, que para ele, seria uma forma de recuperar a auto-estima recentemente abalada dos habitantes do Distrito Federal.

- Fazer a abertura em outra região pode ser um evento a mais pra aquela cidade. Pra nós, do Distrito Federal, representa a busca da autoestima do povo do DF, o respeito do povo brasileiro em relação a sua capital. Então pra nós é a questão, estamos nos dedicando pra isso, vamos trabalhar pra isso, e acreditamos que fazendo a nossa parte as coisas acontecerão.

Questionado sobre qual seleção seria a mais interessante para Brasília abrigar durante o Mundial, Jair de Farias não teve dúvidas:

- Queremos a Argentina. Ter jogadores como Messi, Tevez e tantos outros craques aqui seria interessantíssimo para a divulgação internacional da cidade.

AEROPORTOS
A reforma do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek já começou. Um dos principais pontos de conexão de voos em todo o país passará por uma ampliação no terminal de passageiros, que deve dobrar de tamanho de até 2014, e um aumento na capacidade de circulação de passageiros de 14 milhões em 2010 para 26,5 milhões anuais em 2014.

Também será ampliado o pátio para as aeronaves e construídos os chamados módulos operacionais. Um deles já está em funcionamento. Segundo a Infraero, a reforma do terminal, iniciada em abril, só será concluída em dezembro de 2013, após a Copa das Confederações. A previsão original era de abril de 2013. O investimento do governo federal no aeroporto está estimado em R$ 747 milhões.

HOTELARIA
O comitê organizador Brasília 2014 não tem um número previsto de profissionais da linha de frente de recepção turística a serem treinados até o evento. A estimativa do próprio comitê é de um incremento na demanda turística que varia entre 250 mil a 300 mil turistas. Mesmo assim, segundo Monteiro, a expectativa é de "otimismo", e o objetivo é qualificar "o máximo que puder", mas a definição de um número mínimo necessário seria "chutômetro". Para ele, a responsabilidade nessa área não é só do governo.

- Quem tiver capacidade de apresentar projetos pra buscar esse recurso vai buscar no Ministério do Turismo, do Trabalho, de todas as áreas governamentais. Quem potencializa é a iniciativa privada, a sociedade civil.

Segundo Sérgio Graça, coordenador do comitê, instituições do setor estimam que a cidade tenha hoje 24 mil leitos para receber os turistas. Mesmo assim, está prevista a adaptação de uma área próxima ao estádio, que seria uma nova área de conveniência, contando com hotéis, restaurantes, bares e praças, além do acesso facilitado à arena.

- Nós temos, por ser uma cidade tombada, de ter isso no centro da cidade, com uma ampla área de estacionamento, cercada por uma área hoteleira, cercada por parques. Aqui as pessoas vão poder transitar por essa área à pé, em ciclovias. Vamos colocar até carrinho elétrico para fazer isso – diz Monteiro.

INVESTIMENTOS
De acordo com o Comitê Organizador da Copa do Mundo em Brasília, o total de investimentos na cidade para o Mundial girará em torno de R$ 2,4 bilhões. As áreas de maior concentração de recursos são: Estádio (R$ 671 milhões); VLT (R$ 364 milhões); VLP e construção de corredores exclusivos (R$ 587 milhões) e Aeroporto (R$ 747 milhões).

Nenhum comentário:

Postar um comentário