segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Morde & Assopra


Terça-feira passada, em programa que homenageou Telê Santana,  Vitor Birner recebeu Muricy Ramalho no Cartão Verde, da Tv Cultura.
Ambos sobreviveram.

5 comentários:

Régis/SP disse...

A verdade é que o Birner chegou recentemente a uma conclusão que eu cheguei desde a saída do Ricardo Gomes do São Paulo: o problema do São Paulo não é o técnico, mas sim de alguns certos jogadores que não se esforçam minimamente em campo. E isso acaba minando e contagiando o grupo.
E convenhamos que o Muricy também não é lá essas coisas como técnico, pois insistia naqueles malditos chuveirinhos, mas para o grupo de jogadores que o São Paulo tem, cheguei a conclusão que ele tirou água de pedra.

Marcelo Abdul disse...

O Muricy é ótimo no que se propõe a fazer. Não é um futebol dos sonhos, mas realista. Muricy tirou leite de pedra sim. Principalmente em 2008.

O fato é que hoje podem ressussitar o Telê ou o Rinuls Michaels. Com o elenco mimadinho e bicudo que o São Paulo não há treinador que dê jeito.

Xandão disse...

Eu sabia que um dia ainda ia ler isso.

Fico feliz em saber que agora outras pessoas me dão razão.

Abraço!

Régis/SP disse...

Eu fui um crítico contumaz do Muricy, mas não um crítico da moda.
Criticava o Muricy desde o segundo mês em que ele chegou ao Morumbi.
A maioria lembra que perdemos o Campeonato Paulista de 2006 por causa de apenas um ponto de diferença para o Santos. O que ninguém lembra é que dois pontos perdemos num empate contra o Noroeste no Morumbi, onde o Muricy manteve o Alex Dias em campo perdendo um gol atrás do outro e deixou o Aloísio Chulapa, então em excelente forma, no banco, por pura teimosia, já que a torcida começou a pedir a entrada dele vainda no primeiro tempo.
E o que dizer das substituições só a partir dos 25 do segundo tempo?
Essas foram algumas delas, fora outras que perderei muito tempo aqui para descrevê-las.
Essas teimosias é que me irritavam no Muricy, pois bastava a torcida pedir e ele talvez por necessidade autoafirmação fazia o contrário.
Entretanto, como já disse o Collor um dia: "o tempo é senhor da razão", ficou claro depois do Ricardo Gomes, que o técnico era o menos culpado no fraco desempenho do São Paulo.
Temos um elenco mimado, come-dorme e desunido.
Prova maior disso foi domingo: Dagoberto andando em campo, Lucas não passando a bola para ele e vice-versa, jogadores jogando sozinho e ninguém pensando no conjunto.
Um exemplo claro do que estou falando foi o fato do lateral do Vasco ter recebido um amarelo com menos de 20 minutos de jogo e ninguém mais do São Paulo tentou uma jogada sequer em cima dele para forçar ou cavar o seu segundo amarelo. Depois então do pênalti não dado em Dagoberto? Qualquer time unido iria ter um jogador se atirando na área para tentar pressionar o árbitro (o time do Santos é useiro e vezeiro desse expediente), mas no São Paulo não, pois todos são complacentes e os adversários já sabem disso.
Como disse o colega acima, pode entrar qualquer um técnico, mas se não mudarmos a mão de obra, fica difícil.

Xandão disse...

Regis... foi EXATAMENTE isso que falei na época que mandaram o Muricy embora: O problema NÃO ERA ELE!!!!

Dagoberto e Washinton, principalmente, ferraram com o cara e ficaram de boa. Dois ratos grandes que tinham ajuda de outros menores.

Faz TEMPO que o elenco do SP está contaminado! O tal Dagoberto é a pior laranja podre, mas tem outros por la tb (alguns ja foram embora)

Mas como me disse um colega sãopaulino: Por a culpa nos jogadores eh depreciar o patrimonio do time.

Pensando assim vamos longe viu!!!!

Abraço!

Postar um comentário