sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Fifa põe suas fichas na mesa


Representantes da Fifa e do COL se reuniram ontem, no Rio de Janeiro, com os Comitês Locais das 12 cidades sedes da Copa 2014 para exigir alterações mas legislações estaduais e municipais visando preservar seus interesses.
A Federação Internacional de Futebol não aceita restrições quanto ao consumo de bebidas alcoólicas nos estádios e o pagamento de meia-entrada pelos estudantes. Somente com a meia-entrada a entidade calcula um prejuízo de US$ 100 milhões.
A Fifa certamente utilizou a possibilidade de descredenciamento da cidade para “convencer” as autoridades presentes.
Blefe ou não, a Fifa colocou suas fichas na mesa, e a julgar pelo posicionamento de Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, a possibilidade de alguém “pagar para ver” é praticamente nula.
Paes sugeriu (vejam o absurdo) que a diferença no valor dos ingressos seja bancada pelos governos locais (dinheiro público).
Mas resultado do encontro não ficará restrito as fronteiras das cidades sede.  Ao expor suas condições aos Comitês Locais, a entidade manda seu recado ao governo federal.
Quarta-feira passada, a Câmara dos Deputados aprovou o Estatuto da Juventude (mais um...) que torna a meia-entrada um benefício nacional para os estudantes de 15 a 29 anos. 
A proposta ainda será enviada ao Senado e dificilmente passará, uma vez que jogaria o abacaxi no colo do governo federal (que já está em atrito com a Fifa por causa da meia-entrada concedida aos idosos e do combate a pirataria).
Embora a questão da liberação das bebidas esteja despertando menor atenção na mídia, a pressão também é grande, uma vez que a ceveja “oficial” é parceira de longa data da Fifa e o contrato também envolve altos valores.
Mesmo estando ainda no começo, pelo andar das “negociações” uma coisa é certa: no prejuízo a Fifa e seus parceiro não ficarão.
 

4 comentários:

Hernandes911 disse...

Engraçado o Pais pode perder milhoes em construção de estadio, mas a FIFA nao pode perder nada? to vendo o lucro que a copa vai trazer, vai "no" minimo trazer o dinheiro gasto com os estadios.

Alan D'Avila disse...

HUHA, que porcaria, os governos locais arcarem com meia entrada é mais que um absurdo!!! É um escândalo!!
Ficaria mais barato para a população pagar a entrada completa, pq so a quantidade de impostos que eles criariam pra reaver esse dinheiro não podemos nem imaginar!

Anônimo disse...

Dá vergonha de ser brasileiro.
Somos um feudo.

Renato Bela Vista disse...

Blefe da corja.
Nauseante a postura do Eduardo Pães, mais um de seu vasto currículo.
A hora é de impor-se. Torço pelo o mínimo de firmeza da Presidente. Não alterar nossa legislação é postura democrática. É isso que se exige de um país dito em pleno desenvolvimento. Os direitos pertencem aos cidadãos.
Infelizmente, esta corja conta com aliados nos governos estaduais. É lá que mora o perigo.

Postar um comentário