quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Patrocínio: especulações continuam


Nos últimos dias o nome de uma montadora coreana tem sido especulado como possível patrocinador master do Tricolor. Não vou dizer o nome da companhia porque acho que muitas empresas lançam esses balões de ensaio para ganhar mídia gratuita em cima do nome do clube.
Embora os valores divulgados sejam divergentes todas as fontes informam que a montadora estaria planejando fechar com os três times de maior torcida do Brasil: Flamengo, SCCP e São Paulo.
O blog do Daniel Perrone divulga que o SPFC receberia algo entre R$ 15 milhões e R$ 18 milhões por um contrato até o final deste ano. Se anualizarmos esse valor daria no máximo R$ 24 milhões/ano, o que me parece dentro da realidade do mercado atual.
Roberto Havallone (exclamação!) disse ontem ter uma informação segura de que a proposta para o SCCP é de R$ 168 milhões por três anos de contrato, o que representaria R$ 56 milhões/ano (exclamação de novo!). Muita coisa a meu ver, já que a Hypermarcas pagou R$ 38 milhões e tinha o “plus” do Ronaldo Fenômeno.
Já a coluna Painel FC, da Folha de São Paulo, traz a informação de que a montadora irá pretende oferecer valores iguais aos três clubes para não desagradar e gerar rejeição das torcidas.
O investimento da montadora seria uma resposta a sua concorrente que fechou contrato de patrocínio com o Palmeiras. Para quem não sabe, ambas as marcas pertencem ao mesmo grupo.
A julgar pela fotografia do presidente desta companhia segurando uma camisa do SCCP já com o logo de sua empresa, acredito que as negociações estão em um estágio bastante avançado.
O marketing do SCCP diz a camisa foi somente um agrado à montadora, porém, devemos recordar que no comercial de um de seus produtos que está sendo veiculado nas TV’s, a última frase da peça publicitária é: “... o campeão dos campeões”.
No mínimo suspeito não?
Uma coisa me parece certa: ao menos com um desses clubes o negócio será fechado.
Diferentemente de grande parte da torcida, não tenho “preconceitos” quanto ao país de origem das marcas, cor de logotipo, ou ramo de atuação do patrocinador (dentro de certos limites, claro).
Depois que transformaram as camisas dos clubes em verdadeiros “abadás” torço apenas para que seja uma empresa idônea e que dê a maior compensação financeira possível. É um caminho sem volta.
Infelizmente.


2 comentários:

Régis/SP disse...

Você está certo. A tal montadora mesmo que não patrocine ninguém já conseguiu quase que a mesma exposição, de graça, na mídia que obtém quando lança algum carro (e ela paga por isso). Os asiáticos devem estar rindo à toa pelo nosso fanatismo pelo futebol.
Só não acho que não podemos exagerar de forma idiota sobre o assunto como a Globo, que insiste em chamar a equipe de Fórmula 1 de "RBR" para não fazer propaganda de graça do energético, já que o nome da equipe é o nome do produto da empresa. Está certo que ela não paga anúncio para a Globo, mas investe (e muito) na Fórmula 1, o que torna o produto atraente em termos de audiência para a própria Globo. Ou será que a Globo acha que a gente assiste Fórmula 1 por causa do Galvão ou do desempenho do Barrichelo?

Guedex disse...

Regis, També, acho um absurdo a atitude da Globo com relação à F1.

Postar um comentário