quarta-feira, 30 de maio de 2012

Um “Oscar” para o Oscar?


É muito difícil para quem esta de fora avaliar se a liberação de Oscar pelo valor de R$ 15 milhões foi boa ou não para o clube, ou se houve um vencedor na disputa, afinal não sabemos a real situação do processo.
Se levarmos em conta que Oscar teve que pagar a multa para deixar o clube, a conclusão é de que o SPFC “venceu” o confronto.
Por outro lado, o Tricolor liberou um jogador da seleção brasileira ao preço da multa de uma jovem revelação, já que a base de cálculo foi o contrato vigente na época em que o atleta entrou com a ação.
Para efeito de comparação, Lucas Piazon, que não chegou a fazer uma única partida sequer como profissional foi vendido para o Chelsea por um valor semelhante (€ 7 milhões). O valor de mercado de Oscar hoje é muito superior aos R$ 15 milhões e por esse ponto de vista o Internacional fez um baita negócio, além de poder contar com o futebol do atleta.
Analisando pelo lado do Oscar, há alguns anos atrás ele ganhava R$ 9,500,00 e não tinha nenhuma porcentagem de seus direitos econômicos, e hoje, aufere por volta de R$ 150 mil e possui parte de seus direitos (com o acordo 50% serão do Internacional, e 50% divididos entre Oscar/Giuliano Bertolucci e investidores).
Eu defendia a tese de que o Oscar tivesse o vinculo restabelecido com o São Paulo e emprestado ao Inter até que fosse vendido para o exterior, cabendo ao time gaúcho um percentual sobre a valorização do atleta.
Desta forma o Oscar jogaria onde queria (e ganhando bem), o Internacional usufruiria de seu futebol e teria algum retorno financeiro e o São Paulo teria seus direitos preservados.
O acordo fechado hoje foi o acordo possível, já que as partes que tinham algo a perder (SPFC e SCI) não quiseram “pagar pra ver”.
Com ele o São Paulo pode dizer que não cedeu e que só liberou o jogador com o pagamento da multa.
O Internacional posará de bom moço, dizendo que jamais agiu de má fé ao aceitar o jogador em suas fileiras, e prova disso, desembolsou alta soma para ressarcir o clube paulista.
E o Oscar?
Bom, o Oscar esta onde quer, ganhado o que quer.
Eu fiquei com a impressão de que nessa história toda quem se deu bem foi justamente aquele que virou as costas ao SPFC e demonstrou não ter gratidão.
Mas, como a multa estabelecida foi de fato paga não há do reclamar.
Resumindo: Os clubes terão seus troféus para colocar na prateleira, mas quem realmente levou o prêmio foi o Oscar.
Resta saber o que os meninos lá de Cotia acharam desse final...



Atualização: 17h00

Segundo as informações disponíveis a multa de R$ 15 milhões será paga por Internacional, Oscar/Bertolucci e um investidor (R$ 5 milhões cada em 4 parcelas).
Com isso os direitos econômicos de Oscar ficam assim divididos: 50% Internacional (já havia adquirido uma parte) 25% Oscar/Bertolucci e 25% para um investidor ainda não revelado.
Porém essa conta não fecha já que o Internacional já havia pago € 3 milhões (R$ 7,470 milhões) ao atleta em 2010. Com mais R$ 5 milhões o total pago pelos 50% superaria os R$ 10 milhões pagos pelos parceiros nos outros 50%.

23 comentários:

Ariloiola disse...

O Oscar tbm terá que pagar do bolso! Cumpriu-se o contrato pagando a multa. Fim dessa novela chata. Pior, só a da taça das bolinhas!
Com essa grana, o SPFC poderia ir lá no PSG e trazer o Lugano, duvido que a torcida iria lembrar desse Oscarites!

Guedex disse...

É verdade Ariloiola. Quando escrevi a postagem ainda não havia a informação sobre como será a divisão do pagamento da multa.

Cleverson disse...

Os posts do Guedex são fodas!

Demian disse...

Guedex, eu como sao paulino fico feliz que tenha sido resolvido. Fico triste que a justiça (TST) foi vergonhosa.

Em relação ao contrato do Oscar com o Inter, nunca houve transparência para a gente e nunca vai ter, porque não são pessoas honestas.

Se fossem, a gente saberia tudo. Como não há transparência, os números nunca vão bater.

abs

Demian disse...

Guedex, vc podia fazer uma charge legal com o desfecho desse imbróglio.
Que tal algo do tipo:
Oscar: com o bolso vazio.
Empresário: bolso cheio de dinheiro.
Inter: rindo da situação (aquelas gargalhadas de vilão)
SPFC (juvenal): bolso cheio de dinheiro.
TST (Ministro): "Ufa, me salvei dessa".

Guedex disse...

Obrigado pela sugestão Demian. Vamos ver se bolo algo assim

Abraço!

José Rocha disse...

Pois é Guedex, o meu sentimento foi o mesmo.
Tem um ditado jurídico que diz: "melhor um acordo mal feito do que uma boa demanda".
Mas acredito que o sentimento de torcedor está atrapalhando essa análise. Ao menos eu queria que o vínculo dele com o SPFC fosse plenamente estabelecido antes de qualquer decisão. Assim, de fato teríamos uma justiça.
Acho que o inter, dependendo do quanto vender o jogador, vai ser quem fez o melhor negócio...

Anônimo disse...

Se a pudêssemos esperar mais da justiça brasileira, valeria a pena pagar pra ver.
O Giuliano/Oscar poderiater pago 8 milhoes 2 anos atras e pagaram 15 milhoes aogra. O dobro. mas 2 anos atras não se tinha certeza se o Oscar ia vingar. Sairam ganhando com a malandragem.
Acho que quem sai perdendo mesmo é o oscar porque vai deixar uma imagem de picareta.
E tem certas justiças que só a torcida pode fazer para o Giuliano Bertolucci

Anônimo disse...

O cara ganha 9,500. Se ele visse o meu salário e o da maioria dos brasileiros iria se enforcar.

Carlos Balaró disse...

Minha leitura para esse imbróglio é a seguinte: o empresário vigarista fez a cabeça do jogador e o tirou do clube formador na chamada "mão grande", repassando sua mercadoria ao clube aproveitador e botando a grana no bolso. O clube formador lutou com destreza no Poder Judiciário e retomou as rédeas da situação, obrigando os vigaristas (empresário e clube aproveitador), a fazerem o pagamento da indenização pelo rompimento do contrato, de modo a ressarcir o clube formador de acordo com as bases salariais pré estabelecidas e as regras previstas em lei. Destaco, por fim, o precedente perigoso aberto pelo TST ao conceder a liminar (que acabou ficando sem o julgamento final pelo grupo de Ministros que compõem a SDI-1), para liberação do atleta SEM A EXIGÊNCIA do depósito judicial, sob o falso pretexto de que ele pode escolher o seu local de trabalho na medida em que não há o regime de escravidão no país. Devemos ponderar, também, que houve um golpe de sorte do empresário vigarista e do clube aproveitador uma vez que o atleta está em bom momento, inclusive com o Galvão Pato Donald Bueno enchendo a sua bola nos jogos da seleção, pois tudo seria muito diferente se ele tivesse rompido os ligamentos cruzados do joelho, quando provavelmente teria sido abandonado pelo empresário vigarista e pelo clube aproveitador, o que obrigaria o seu retorno ao clube formador com o rabinho no meio das pernas. (omiti, de propósito, nomes de pessoas e clubes com a certeza de que, em muito breve, esse filme será rodado com outros atores, principal e coadjuvantes).

Guedex disse...

Carlão,
Veja o que diz a coluna Painel FC, da Folha de hoje:

Para nunca mais
Um dos acertos para que a negociação de Oscar finalmente fosse concluída foi que o Tribunal Superior do Trabalho derrube o habeas corpus que fora concedido pelo ministro Guilherme Caputo para que o meia atuasse pelo Internacional. O objetivo dos cartolas do São Paulo é impedir que seja criada jurisprudência, que no futuro poderia ser utilizada por outros jogadores insatisfeitos com seus clubes, citando o direito de ir e vir

Carlos Balaró disse...

Eu li o Painel FC da FSP e quase cai do sofá! Com o acordo formalizado o processo será extinto na forma do artigo 269 inciso III do Código de Processo Civil; além disso, impossível conceber às partes condicionar a eficácia do acordo a eventual decisão judicial (... que o Tribunal Superior do Trabalho derrube o habeas corpus ...), como se o Poder Judiciário pudesse ser manipulado. Isso está parecendo conversa entre o Lula, Gilmar Mendes e Nelson Jobim...

Guedex disse...

Foi justamente o que pensei Carlão. Não acredito que realmente tenha havido esse acordo

Régis/SP disse...

Guedex, o resultado do caso Oscar, eu diria, é menor de todos os males.
Vou sair um pouco do lugar comum, por mais que possa ter havido má fé do jogador e seu empresário.
Para mim, o ocorrido ESCONDE a política equivocada do São Paulo na valorização de jovens promessas.
O mundo muda e não dá para se ter a mesma mentalidade de uso da base que se tinha nos anos 70 ou 80.
Vejo como estopim do grande erro no caso Oscar o ano 2009, quando optamos pelo sub aproveitamento dos jogadores da base e desandamos a contratar jogadores de qualificação duvidosa.
Trouxemos Eduardos Costa, Hugos, Leo Limas, Cléber Santanas e Marcelinhos Paraíbas da vida, em detrimento dos novos jogadores.
Enquanto isso, um jogador como Oscar quase nunca era aproveitado.
Para se ter uma ideia, na semifinal da Libertadores de 2010 deixamos Casemiro e Lucas de fora do jogo no Morumbi (nem no banco ficaram), enquanto tínhamos em campo Cléber Santana, Fernandão e Marcelinho Paraíba.
Seria interessante sabermos ao certo quem no clube era contra o uso da base. Esse sim foi o grande culpado pelo nosso prejuízo.
Quem era essa pessoa? Muricy (sempre falava que a base não estava pronta)? Milton Cruz (que indicava a maioria dos atletas 'prontos')? Marco Aurélio Cunha (que chegou a dar entrevista dizendo que temia pelo uso precipitado de jogadores da base)? Ou alguma outra pessoa dentro do clube?
Tenho certeza que essa opção acabou incentivando o 'levante' de jogadores e empresários insatisfeitos e oportunistas. Eu mesmo se fosse empresário de algum atleta nessas condições me revoltaria. Alguém propondo que meu atleta fosse pegar experiência no Toledo, no Santo André, no Mogi Mirim, enquanto pernas de pau jogavam com a camisa do São Paulo.
E o crucial de tudo isso é que todos esses pernas de pau vieram para o São Paulo ganhando, segundo a imprensa, acima de R$ 150 mil por mês, enquanto as três promessas da base tinham salários muito baixos (é fato que nenhum deles ganha isso até hoje).
Quem explica como um garoto da base, considerado uma das maiores promessas de todos os tempos, tivesse um salário de apenas R$ 9 mil por mês?
E não adianta o usar o argumento de que o clube não poderia pagar mais porque não sabia que esses jogadores estourariam um dia. Isso é uma visão míope de quem quer investir na base.
Se você não tiver alguém com capacidade para tentar descobrir quem terá possíveis condições de se destacar entre seus garotos da base, é melhor desistir do negócio. Claro que você pode errar, mas de forma que os acertos compensem os custos dos erros.
Ou alguém ainda acha que o Barcelona acertou com Messi na primeira, pagando milhões de dólares por e para um garoto de 13 anos sabendo que ele seria o que é hoje?
Ok, alguns dirão que o Barcelona pode errar por ter muito dinheiro, mas nós também podemos fazer o mesmo dentro da nossa realidade financeira, que com certeza não é com o salário de R$ 9 mil por mês para um possível novo Messi brasileiro.
Temos que ter cuidado na avaliação, pois só criticar empresário pilantra e achar que ganhamos algo, encobre muitos (ou quase todos) os nossos erros.

Guedex disse...

Régis,
Também acho que muitos erros no aproveitamento da base.
Penso que os garotos devem ser testados, cobrados e valorizados.
Espero que o SPFC tire algo de bom nessa história toda.

Régis/SP disse...

Guedex, acho que o São Paulo já está tirando. Lucas, Casemiro, Rodrigo Caio, Wellington e mesmo Henrique, só forma levados à sério depois do episódio Oscar.
Custou caro (a diferença do que vale hoje Oscar pelo que foi vendido), mas estão aprendendo. É só eles não terem recaídas e pararem de ao menos mesclarem a base com jogadores experientes.

Guedex disse...

Régis,
Tenho bastante esperança no trabalho do Renê Simões. Se deixarem ele trabalhar com autonomia, inclusive na comissão técnica do profissional, acho que retomaremos nosso rumo

Régis/SP disse...

Desculpe continuar no tema, mas vou ser bem cético quanto ao papel de Renê Simões.
Posso estar errado, mas ele já começa errado.
Renê só ficar responsável pela base, podemos incorrer no mesmo erro. Renê teria que ficar com um manager do clube responsável tanto pelo profissional (acima de Leão e Milton Cruz) quanto pela base. Só numa das pontas, temo que fique a guerrinha antiga que existe entre os departamentos de futebol de Cotia e da Barra Funda.
Pode ter melhorado por conta do caso Oscar, mas ainda existe um 'gap' muito grande entre os dois CTs.

Guedex disse...

Régis,
O Renê simões é Diretor Técnico de TODO departamento de futebol, inclusive do do Depto. Profissional.
Hierarquicamente esta acima do técnico do time principal, mas começará seu trabalho por Cotia
Veja aqui entrevista dele ao globoesporte.com
http://globoesporte.globo.com/futebol/times/sao-paulo/noticia/2012/05/homem-forte-de-cotia-rene-simoes-avisa-aqui-nao-e-ilha-da-fantasia.html

Anônimo disse...

Estou entrando no assunto e o Régis acertou na mosca!!! Muricy, por mais que o elogiem como técnico, mas ele simplesmente ignorou o departamento amador do SPFC. Agora, no Santos, a mesma coisa. Só para lembrar que o Santos em 2010 foi campeão praticamente usando a base e, agora, começa a recorrer a jogadores de fora, dizendo que os atletas do SFC não estão prontos. Todos lamentam, mas prestem atenção no que ocorrerá com o Santos daqui a 2, 3 anos...

Guedex disse...

É verdade, o Mura já deu uma comida de toco no Felipe Anderson

Régis/SP disse...

É irônico isso partir justamente do Muricy, que começou sua carreira meteórica como jogador vindo da base do São Paulo, aos 18 anos. Está certo que só se firmou aos 20, mas já fazia parte do time principal, o que foi importante para obter experiência.
Para se ter uma ideia de como Muricy gostava da base, em 2007 ele já tinha dispensado o Hernanes para 'pegar' experiência novamente no Santo André (ele já tinha ficado todo ano de 2006 por lá) e alguém da diretoria não concordou e não deixou ele sair. Mas por conta dessa dispensa, ele acabou não sendo inscrito na Libertadores daquele ano e tivemos que jogar com Souza improvisado de volante (e Richarlyson de lateral), tendo um Hernanes no time.
Também concordo que se o Santos ficar com o Muricy por muito tempo, vai pagar caro por isso.

Roberto Jr disse...

Penso que ninguem ganhou nada. O SPFC perdeu uma futura estrela que a torcida aguardava ha bastante tempo, com certeza Oscar seria muito mais amado no tricolor do que é amado no colorado, poderiamos ter um novo Rai, Leonardo, Careca... que valor tem isso? é com certeza imensuravel, enfim...., o Inter pode reaver o dinheiro que já gastou, ter um pouco de lucro (se o mercado europeu melhorar) e tem um bom jogador no elenco, nunca será uma estrela como Falcão...., o jogador será sempre lembrado por esta história toda e seu carater será sempre questionado, vale a pena? É bom ganhar dinheiro, mas não podemos esquecer dos verdadeiros valores que devemos ter na vida. Esse caso do Oscar apenas mostra como nosso mundo e sociedade ainda estão muito sujos e que o futebol não forma homens e sim aspirantes a celebridades. Antigamente um jogador de futebol era politizado, tinha opinião, carater e outros adjetivos que dignificam o homem. Hoje em dia são marionetes, querendo aparecer no próximo clipe de um novo sucesso musical ou comprar um iate novo. O dinheiro subiu a cabeça, pensam que podem tudo ja que conseguem tudo que querem. Fato é que hoje este rapaz empunha a camisa 10 da seleção brasileira, e o anterior camisa 10 canarinho está dando um golpe de R$ 40 Mi em seu clube, ou seja, onde estão os Rais, Zicos, Rivaldos e outros camisas 10 que sempre orgulharam não apenas pelo futebol apresentado mas pelo carater e hombridade? Que exemplo esses novos camisas 10 estão deixando para as pessoas que não ganham rios de dinheiro como eles e para os jovens que os tem como idolos? Temo pelo futuro....

Postar um comentário